SUPEM


 

NOVO-LOGO-SUPEMA SUPEM é um espaço que coaduna a oportunidade de crescermos não só o lado humano, mas também a formação acadêmica. Não é tarefa fácil, exige dedicação, desprendimento e um ideal humanitário aliado à ciência.Estamos, agora, à frente dessa instituição acadêmica, instituição esta que caminha com recursos próprios e que propicia àqueles que nela ingressam uma formação médica mais completa, além de nos unir fazendo nascer desse convívio grandes amizades.
Gerir a SUPEM é um aprendizado crescente, pois atuamos em pequenos e grandes trabalhos levando-nos a fazer a diferença nesse mundo, às vezes, cruel com os grupos menos favorecidos.Com isso, podemos buscar conhecimentos e responsabilidade social.Portanto, caro leitor, convidamos, você, a percorrer pelos nossos meios de comunicação e conhecer todo o processo de trabalho.

HISTÓRICO


Fundada em 1972 estando à frente o Sr. Francisco A. Conte, em seu primeiro congresso teve um grande número de participantes.

Em 1979 a prefeitura municipal a reconhece como Órgão de utilidade pública municipal e em 1999 realiza em parceria com a SFMC o Congresso Médico Cidade de Campos e Congresso da SOMERJ, com a participação de mais de 1200 acadêmicos e médicos.

Em 2001, Publicada a Revista da SUPEM com número de INDEXAÇÃO e em 2003/04 volta a aparecer no cenário acadêmico com o intenso trabalho de recuperação desenvolvido por Rafael Terra e sua diretoria.

Fernando, Marcos Paulo e diretoria conseguem continuar o trabalho e lançam a Revista Científica da SUPEM com 28 novas publicações, em 2007 ocorre abertura das Ligas Acadêmicas e na Gestão 2008/09 a realização do Interligas.

Gestão 2015

Presidente: Lucas B. Paravidino de Almeida
Vice-presidente: Marinna Bárbara Barros
Secretária: Leonardo Abreu Cordeiro Nunes
Tesoureiro: Roberta Peixoto Gava
Diretora Cientifica:
1º Secretário de Ligas:
2º Secretário de Ligas:
Diretora de Eventos: Camila Gomes Canzian e Yasmin Barreto Soares
Secretária de Eventos:
Diretor de Comunicação:
Secretária de Comunicação:


ESTATUTO DE FUNCIONAMENTO DAS

LIGAS DAFACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS


A Sociedade Universitária de Pesquisas e Estudos Médicos (SUPEM) e a FMC
afirmam que: todas as ligas existentes na FMC, obrigatoriamente, devem estar
cadastradas na SUPEM. A SUPEM é o único órgão que terá direito e
autonomia para cadastrar as ligas. Tais argumentos supracitados não impedem
as ligas de se filiarem às sociedades de especialidades médicas.
CAPÍTULO 1 – DA RELAÇÃO DAS LIGAS COM A SUPEM
Artigo 1° – É dever das ligas
§ Estabelecer relação de compromisso e responsabilidade com a SUPEM.
§Fazer uma ata de fundação e posse, sendo a ultima, refeita a cada nova
gestão.
§ Comparecer as reuniões com a direção da SUPEM que serão marcadas pelo
Menos com uma semana com antecedência. Essas reuniões serão
comunicadas a diretoria da liga. Deverão comparecer pelo menos dois
membros da diretoria nessas reuniões. Todos os acordos realizados serão
registrados em ata.
§ Entregar o relatório (vide Artigo 4º deste presente Capítulo) e as atas das
ligas nas reuniões com a direção da SUPEM.
§ Com relação à realização do processo seletivo, o mesmo deverá ser
precedido de um simpósio com os temas que serão abordados no processo
seletivo.
§ Ainda com relação ao processo seletivo, deverá ser efetuado o pagamento
do valor único de oito reais por inscrito mais uma doação (roupa, alimento,
material de higiene, etc), sendo deste cinqüenta por cento (quatro reais)
destinados a SUPEM.
§Cumprir todos os quesitos regidos por esse Estatuto.
Artigo 2° – É direito da liga
§ Solicitar apoio cientifico para realização de suas tarefas.
§ Solicitar da SUPEM espaço físico para as reuniões teóricas.
§ Solicitar o demonstrativo dos gastos da SUPEM.
Artigo 3° – É dever da SUPEM
§ Esforço e dedicação para incentivar as ligas em todas as suas tarefas.
§ Disponibilizar, com auxílio da FMC, espaço físico para as reuniões teóricas
das ligas.
§ Coordenar todas as ligas, funcionando como órgão regulador.
§ Cumprir todos os quesitos regidos por este Estatuto.
Artigo 4° – É direito da SUPEM
§ Exigir das ligas a produção de trabalhos científicos, realização de reuniões
teóricas e atividades práticas, de acordo com o Capítulo 3 Artigo 4º, e
compromisso social (exemplo: trabalho comunitário, prevenção e promoção de
saúde).
§ Exigir das ligas a apresentação das atas com a assinatura do professor
palestrante e dos membros, devendo constar o horário de início e término
dessas atividades, nas reuniões marcadas com a SUPEM.
§ Exigir das ligas o relatório das atividades realizadas no mesmo período, com
a assinatura do professor palestrante.
§ Exigir das ligas a efetuação do pagamento de doze parcelas mensais na
quantia de vinte e cinco reais por liga. Caso a liga funcione em um período
menor do que um ano, deverão ser pagas as doze parcelas. Caso a liga
funcione por mais de doze meses, as mensalidades deverão ser pagas até o
encerramento de suas respectivas atividades. Com o propósito da manutenção
do órgão regulamentador, SUPEM. O atraso de dois pagamentos acarretará
em inativação da mesma. O membro ou diretor que não pagar a sua parte a
liga e prejudicar o repasse a SUPEM terá a sua vaga disponibilizada para um
novo processo seletivo.
§ Comparecer em todos os eventos realizados pelas ligas, gratuitamente, e
com o devido certificado. (Vide Capítulo 4 Artigo 2º)
§ Exigir o pagamento de cinco reais para cada certificado emitido pela SUPEM,
sendo esses pagos a SUPEM.
§ Aplicar penalidades e advertências quando as ligas descumprirem o que foi
acordado no Estatuto, de acordo com o Capítulo 5 (cinco).
CAPÍTULO 2 – DO CADASTRAMENTO DAS LIGAS
Artigo 1° – Primeiro passo: Após o encerramento da gestão da Liga
Acadêmica, a SUPEM divulgará para todos os discentes (alunos) da FMC que
a mesma se encontra vaga, tendo 48 (quarenta e oito) horas úteis para o précadastramento
das chapas. A chapa deverá conter no mínimo dois acadêmicos
que estejam cursando ou que tenham cursado a disciplina a ser abordada.
Após esse período, as chapas serão analisadas pela SUPEM, sendo
submetidas aos critérios de desempate, que são: a maior quantidade de
diretores da Liga no período mais avançado; maior quantidade de diretores da
Liga que já participaram como membros da gestão anterior.
Artigo 2° – Segundo passo: Construção de um estatuto interno da liga, ata de
posse e preenchimento da ficha de cadastro que esta disponível no link da
SUPEM no site da Faculdade de Medicina de Campos, www.fmc.br. Os
documentos em questão deverão ser aprovados pela diretoria da SUPEM
antes da marcação de provas e inicio das atividades da liga. A marcação da
prova deverá ser feita na SUPEM para que não haja conflito de datas.
Artigo 3° – Terceiro passo: O Estatuto de Funcionamento da Liga e a Ata de
posse deverão ser assinados pela SUPEM, dando valor legal à abertura da
Liga Acadêmica. O Estatuto da Liga, a Xerox da Ata de Posse e a ficha de
cadastro deverão ser entregues à SUPEM para a Liga seja oficialmente
cadastrada e possa exercer suas atividades regulares.
CAPÍTULO 3 – DO FUNCIONAMENTO DAS LIGAS
Artigo 1° – Para o funcionamento normal das ligas, elas devem respeitar o
presente estatuto.
Artigo 2° – Com relação à avaliação: Deverá ser precedida de um simpósio
com os temas que serão cobrados no processo seletivo. A avaliação deve
constar de processo seletivo e sendo vontade da direção da liga pode-se haver
uma entrevista e/ou análise curricular. Os critérios devem ser previamente
explicitados, no Estatuto Interno da Liga e no processo de divulgação da
avaliação, de tal modo que os itens que serão valorizados fiquem claros. O
processo seletivo deverá ser divulgado com prazo mínimo de quinze dias,
juntamente com o conteúdo da prova e a referência bibliográfica. A divulgação
deve ser de tal forma a garantir o livre acesso destas informações a qualquer
aluno. A data do processo seletivo deverá ser marcada na SUPEM para
que não haja conflito de datas.
Artigo 3° – Com relação às reuniões teóricas: a diretoria da liga e seus
orientadores têm obrigação de estabelecer com os demais integrantes da liga a
periodicidade das reuniões, havendo um meio de fácil acesso e de boa
visibilidade para que os integrantes e demais pessoas autorizadas a participar
destas tenham acesso à freqüência, bem como local, horário, tema e
palestrante. Deve-se ressaltar que as ligas precisam realizar no mínimo doze
reuniões no prazo de doze meses, devendo ser registradas em ata com
assinatura dos membros e diretores, estando a ata fechada pelo presidente ao
término de cada reunião.
Artigo 4° – Com relação às atividades praticas: Estas não devem interferir no
funcionamento do internato ou das demais séries. A diretoria da liga, junto aos
seus orientadores, deve estabelecer local, data e hora destas atividades. Tais
eventos devem ser registrados em ata. A SUPEM exige no mínimo 1 (uma)
atividade prática, durante seu período de funcionamento, a ser realizada
por todos os membros.
Artigo 5° – Com relação às produções científicas: as ligas deverão
apresentar/publicar um trabalho científico para que tenha o seu certificado
emitido. Este trabalho deverá ser apresentado/publicado até um mês antes do
encerramento do ano letivo.
§ Essa apresentação/publicação dever ser em resumo ou apresentação oral
em congresso regional, nacional ou internacional.
§ Também poderá ser feita publicação em revista científica
indexada/registrada.
Artigo 6° – Com relação ao compromisso social: os integrantes deverão estar
atentos à necessidade da comunidade, promovendo trabalhos de assistência à
saúde. Deverá ser realizado um trabalho de total responsabilidade da liga.
Artigo 7° – O número de integrante que compõe a diretoria deverá respeitar o
número de cinco diretores descritos a seguir: presidente, vice-presidente,
secretário, diretor científico e tesoureiro.
Artigo 8° – O número de membros deverá ser no mínimo de 10 e no máximo
de 20 participantes, estando incluídos os membros da diretoria de acordo com
o artigo 7°.
Artigo 9° – Um acadêmico poderá ocupar duas diretorias, desde que em
cargos diferentes em cada liga.
Artigo 10° – Cada diretoria tem duração de um ano após o processo seletivo,
tendo um prazo de dois meses de intervalo entre assumir a liga e a realização
do processo seletivo, a fim de uma melhor organização da mesma. Após o
término da primeira gestão, a liga deverá ser disponibilizada à SUPEM
(conforme Capítulo 2 Artigo 1º) e os diretores podem concorrer a mais um ano
no mesmo cargo ou cargos diferentes. Ao término do ano, os membros que
desejarem permanecer na liga deverão fazer um novo processo seletivo.
Artigo 11° – Cada liga deverá apresentar um relatório quando solicitado pela
SUPEM (vide Capítulo 1, Artigo 1°).
Artigo 12° – A liga poderá promover simpósios, cursos e palestras de grande
porte, somente se estiver de acordo com o calendário da Faculdade de
Medicina de Campos, devendo ser inicialmente aprovado pela SUPEM. A Liga
é a única responsável pela organização e realização de todo o evento, tendo
por obrigação o pagamento de 5 (cinco) reais à SUPEM por certificado emitido;
os certificados não poderão ser enviados por email, precisando ser retirados na
sala da SUPEM.
§ As palestras que terão certificados emitidos não farão parte das doze
reuniões mínimas (conforme Artigo 3º deste mesmo capítulo). A diretoria
poderá providenciar certificados apenas para os ouvintes (pessoas que não
são membros da Liga).
Artigo 13º – Caso os membros das ligas não possuam 75% de presença nas
atividades, os respectivos certificados de conclusão de Liga não serão
emitidos. Sendo assim, torna-se obrigatória a lista de presença em toda e
qualquer atividade feita pelas ligas.
Artigo 14º – Ao encerrar a Liga ata deve ser passada para a nova gestão ou
entregue na SUPEM.
Artigo 15º – No caso de renúncia ou destituição de qualquer um dos Diretores,
exceto do Presidente, deverá haver um consenso entre a diretoria para eleição
do novo diretor.
§ Caso seja o Presidente envolvido, o Vice – presidente assume o cargo e as
votações ocorrem para Vice.
§ Caso um membro renuncie a sua vaga, esta deverá ser ocupada pelo
primeiro colocado da lista de espera.
CAPÍTULO 4 – DOS EVENTOS
Artigo 1° – Todo evento organizado pelas ligas será, obrigatoriamente,
realizado em parceria com a SUPEM. Essa parceria consiste em:
§ A SUPEM é responsável por disponibilizar espaço físico com auxílio da FMC,
divulgar o evento, emitir de certificado pago pela Liga (Cinco reais) e, junto à
diretoria, encontrar a melhor data para realização do mesmo tendo como base
o calendário letivo da FMC e dos eventos da SUPEM.
§ A Liga é única responsável por toda a realização do evento.
§ Com a emissão de quantidades superiores a 50 (cinquenta) certificados,
solicitados pelas ligas e pagos pelas mesmas à SUPEM, haverá um desconto
na quantidade total dos certificados. Os valores dos descontos poderão ser
consultados diretamente na SUPEM.
Artigo 2° – É direito da SUPEM comparecer a todos os eventos realizados
pelas ligas, gratuitamente, e com o devido certificado.
CAPÍTULO 5 – ADVERTÊNCIAS E PENALIDADES
Artigo 1° – Serão classificadas em leve, moderada, grave e gravíssima. Para
cada tipo de falta cabe uma advertência ou penalidade. Os tipos de faltas com
suas respectivas penalidades estão descritas abaixo.
§ Falta leve: Acarreta advertência verbal e escrita. O abono só será feito
quando a diretoria da liga, no prazo de três dias úteis, justificar e retificar o
motivo da falta. Caso contrário passará a ser considerada como falta
moderada.
§ Falta moderada: Acarreta na suspensão do espaço físico e Datashow por três
reuniões da liga na FMC. Caso essas reuniões ocorram foram da Faculdade
será suspensa a emissão dos certificados por um prazo de 40 (quarenta) dias.
§ Falta grave: suspensão das reuniões e eventos sejam eles dentro ou fora dos
domínios da FMC, por um período de dois meses. Caso não seja cumprida
passa a ser considerada falta gravíssima.
§ Falta gravíssima: acarreta na exclusão da diretoria e, conseqüente, liberação
das Ligas. Para a decisão da exclusão será convocado um Conselho Geral
composto por diretoria e membros da SUPEM, diretoria das ligas cadastradas e
membros da liga faltosa em questão. Esse conselho será presidido pelo
presidente da SUPEM; ficará sobre responsabilidade da SUPEM expor a falta
cometida pela liga em questão; ficará a cargo da diretoria da liga a defesa;
ocorrerá uma votação para confirmação da exclusão sendo que nesta os
membros da liga somarão 1 (um) voto, cada diretoria de liga terá direito a 1
(um) voto, bem como cada membro da SUPEM.
Tipo de penalidade Comentários
I -Não comparecimento dos dois membros
da liga nas reuniões com a SUPEM.
II -Deixar de realizar o trabalho social e o
trabalho científico.
– Não entregar o relatório.
– Faltar com o cumprimento do capítulo 3.
III -Organizar algum evento da liga sem a
parceria com a SUPEM.
– Faltar com o cumprimento do capítulo 4.
-Caso haja fraude confirmada no
processo de avaliação da liga.
IV -Caso a liga não cumpra, temporária ou
permanentemente, o acordo realizado
com base no Cap. 4 declarado e assinado
previamente por ambas as partes.
Indicações para convocação de uma Assembléia Geral:
• Descumprimento do Estatuto em relação ao Capítulo 1 Artigo 3º
• Falta gravíssima
• Reformulação do Estatuto
A decisão da SUPEM é considerada suprema, irrevogável e inapelável, a qual
não será revista, porém sempre prezando pela justiça com respeito e
igualdade.

FICHA DE CADASTRO DE LIGAS ACADÊMICAS