AVALIAÇÃO DO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO EM ACADÊMICOS EM UMA UNIVERSIDADE EM ALFENAS-MG.

  • Luiz Henrique Torres Cota Unifenas- Alfenas
  • Júlia Azevedo de Almeida
  • Larissa Nobre de Lima
  • Mônica Caroline de Lima Ferreira
  • Thamara Pereira Castro
  • Alessandra dos Santos Danziger Silvério
Palavras-chave: dislipidemia, doença cardiovascular, acadêmicos.

Resumo

Resumo

Objetivos: Avaliar a ocorrência de alterações no perfil lipídico e glicêmico de acadêmicos de uma Universidade em Alfenas-MG e correlacionar os valores séricos das lipoproteínas e da glicemia de jejum com os fatores de risco para dislipidemias e diabetes decorrentes dos hábitos de vida dos acadêmicos. Métodos: Os instrumentos de medidas utilizados são protocolos para análises laboratoriais da glicemia de jejum e do perfil lipídico em soro segundo método enzimático colorimétrico de acordo com Burtis & Ashwood (2008). Resultados: Foram analisadas 215 amostras de sangue periférico demonstraram a glicemia acima do limite de normalidade, entre 100 e 126 mg/dL, 5,6% (n=12), e acima de 126 mg/dL, o que denota um estado de hiperglicemia nesses indivíduos 2,3% (n=5). Quanto ao perfil lipídico, 5,8% (n=34) apresentaram-se limítrofes, ou seja, de 150 a 200 mg/dl. E, 5,5% (n=12) concentrações altas, ou seja, maiores que 200 mg/dl. As concentrações séricas de colesterol total em 20,0% (n=43) consideradas limítrofes, de 200 a 239 mg/dl. E concentrações da fração HDL-C 40,0% (n=86) apresentaram concentrações consideradas limítrofes de 40 a 60 mg/dl e 46,5% (n=100) concentrações abaixo dos valores preconizados, ou seja, menores que 40 mg/dl.

Conclusão: Observa-se que obtivemos um número expressivo de alterações nos perfis laboratoriais analisados. Logo, identifica-se que apesar do conhecimento os acadêmicos por algum motivo não estão aplicam estes saberes nos cuidados diários com a saúde.

 

 

 

Publicado
2018-12-21
Seção
Artigos Originais